Tudo sobre companhias aéreas low-cost

Atualizado em 28 de novembro de 2017 por Thiago Khoury

Com relação a viagem propriamente dita não há muita diferença entre embarcar em uma low-cost ou companhia aérea tradicional: a segurança é a mesma, seja no quesito aeronave ou experiência da tripulação, o que as diferenciam é que low-costs cortam os seus gastos para poder oferecer as passagens mais baratas do mercado.

Não existem salas especiais de espera, lanches a bordo, contratação de entretenimento para passageiros e outras facilidades comuns em empresas tradicionais. Elas raramente têm uma política de troca de passagens ou devolução do dinheiro. Você também não conseguirá comprar através de um agente de viagens, é o próprio passageiro quem faz a reserva pela internet.

Ryanair é uma das maiores companhias aéreas do mundo | Por @ogeli13

5 dicas para conseguir o menor preço em uma low-cost

  • Viaje nas terças, quartas e quintas. Os outros dias são os mais procurados e também os mais caros.
  • Viaje no início da manhã ou tarde da noite. Os piores horários serão sempre os mais baratos.
  • Escolha primavera e outono em vez de inverno e verão. E essas costumam a ser as melhores épocas para passear no hemisfério de cima.
  • Confira os preços regularmente. Quem vive na internet costuma comprar mais barato: quem manda no preço é a lei da oferta e procura. A passagem que durante o almoço estava cara pode ser a mais barata da madrugada.
  • Compre com antecedência. Quinze dias é o mínimo, mas saiba que as melhores ofertas costumam aparecer cinco semanas antes da data de embarque.

5 desvantagens de uma low-cost

  • É quase impossível fazer conexões. Se você está em Barcelona e vai embarcar em uma low-cost para Londres para então voar de volta para o Brasil sugiro pegar o primeiro voo do dia, mesmo que isso signifique dez horas de espera na terra da rainha. São dois voos completamente diferentes, o atraso de um não implica em reembolso do outro.
  • Existem restrições severas para bagagem. Algumas vezes você não tem direito a sequer uma mala despachada. Quando elas permitem uma peça não existe margem de erro para o peso estipulado – que não costuma ser grande: o quilo excedente pode ultrapassar 100 euros.
  • Geralmente os aeroportos de embarque e desembarque são os menores. Isso acontece para que a taxa de embarque seja a menor. Confira se você irá desembarcar no aeroporto necessário ou em uma pista qualquer longe da civilização. Chegar desavisado em Barcelona por Girona e com peso excedente pode comprometer financeiramente toda a sua viagem!
  • Comida e entretenimento de bordo dificilmente estarão incluídos. Por isso, traga o seu sanduíche, livro ou laptop. A companhia provavelmente oferecerá esses itens por uma taxa extra que pode ser paga durante o voo.
  • Fique esperto. Low-costs podem mudar o horário do voo com pouquíssima antecedência. Você, por outro lado, deve ficar atento sempre: mesmo depois de ter feito o check-in, nenhuma low-cost espera passageiro para levantar voo – o que implicaria em multa para a companhia e aumento de tarifa nas passagens futuras.

O dia que uma low-cost faliu e por pouco me leva junto

Cuidado: não deixe o preço baixo distraí-lo a ponto de levar gato por lebre: nunca peguei um voo que não permitisse despachar ao menos uma peça de bagagem ou não tivesse o mínimo de conforto possível. Sempre aterrissei nos aeroportos principais e nunca me decepcionei com o atendimento de nenhuma delas.

E mesmo com esses cuidados já levei um baita susto: doze horas antes de embarcar de Sky Europe em Praga com destino a Roma descobri que a companhia tinha ido a falência uma semana antes.

Quando eu só encontrava passagens acima dos 600 euros, descobri a Smart Wings que me levou em um voo legal por apenas 80 euros – mesmo preço da finada Sky Europe, comprado com apenas doze horas de antecedência e desembarque no mesmo lugar, o aeroporto internacional de Roma.

E você, quais companhias low-cost você conhece e sugere?

[adrotate banner=”54″]

11 comentários sobre “Tudo sobre companhias aéreas low-cost

  1. Viajei com 3 cias low cost pela Europa….fiz vários trechos durante 48 dias.
    Viajei de Madri / Lisboa /Madri com a Iberia. Numa das conexões o voo anterior havia atrasado, nos deram tikets para o almoço no aeroporto e nos encaixaram no voo seguinte. Voamos de Lisboa a Milão pela Easyjet, pagamos 220 Euros por 6 passagens. Foi um achado.
    Viajamos pela Ryanair de Veneza a Roma, De Florença a Paris e de Paris ao Porto. As passagens ficaram entre 13 E e 30 Euros / trecho/pessoa.
    Por este preço só é permitido levar UM volume de bagagem de mão, no tamanho e peso determinados… Para despachar uma mala de no máximo 23 quilos cobravam na época, 21 euros, atualmente cobram 40 euros por mala despachada.
    Não tivemos nenhum problema com a Ryanair, já a easyjet fica tentando achar um motivo para nos fazer despachar as malas ( e pagar mais) . Uma das nossas foi vetada como bagagem de mão por ultrapassar a medida de um dos lados em 2 cm.
    Os aviões são como os da gol, para voos domésticos, apertados.Não lembro se servem água ( de graça). Lanches e bebidas eles tem para vender.

  2. Cara, parabéns pelo seu blog! Dicas, matérias, etc, excelentes! Embarco agora no início de agosto de 2012 para a Europa e ficarei um mês. Você me ajudou demais por aqui.

  3. Não sei se já falaram por aqui, mas eu voei pela Flybee, saindo de Manchester, UK para Munique ou Paris… Não lembro. Foi bem tranquilo.

  4. Fala, Thiago

    Passando para parabenizar pelo blog. Realmente bem bacana! Cheguei nele por meio de um link no “ocioso.com.br”.
    Também sou jornalista e curto viajar (embora ainda não tenha ido muito pra fora do Brasil). Tenho um casal de amigos, jornalistas também, que estão em Londres com um blog sobre viagens e dicas também. Acesse lá qualquer hora: http://www.praveremlondres.com
    Eles também estão com twitter: @praveremlondres

    Vai que numa dessas acabam trocando pautas e, quem sabe, também mantêm contato.
    Passarei mais vezes, já salvei o endereço aqui no meu pc.

    Abraço!

  5. Já voei diversas vezes pela Ryanair e graças a deus nunca tive problema nenhum, mas já ouvi/li vários relatos assustadores. No mais, o problema realmente é que a maioria dos aeroportos fica bem longe da cidade, mas se você já vai sabendo (shuttle e etc) fica mais fácil.
    Dessa segunda vez aqui na Europa voei também pela Germanwings e achei o mesmo nível da ryanair, o que me deixou mais satisfeita foi o fato do voo sair do aeroporto principal de viena e chegar no de stuttgart, de fato é mais cômodo.
    Como sempre, você arrasando nas dicas!

    :*

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

*