Um pulinho em Wimbledon, Londres

Pessoal, atenção!

PROMOÇÃO RELÂMPAGO de chip de celular!

Qualquer chip com 20% de desconto, seja Europa, Estados Unidos ou só de dados para mais de 140 países no mundo!

▶ Excepcionalmente através desse link você adquire qualquer chip da EasySim4U com 20% de desconto.

Mas CORRE porque o link expira no último minuto de hoje, dia 21 de março!

Estava louco para conhecer Wimbledon em Londres desde o dia em que visitei Roland Garros em Paris. Nunca fui muito conhecedor do esporte, sempre acompanhei as grandes finais, mas Roland Garros foi um passeio surpreendentemente bom: foi curioso, tive aquela sensação gostosa de quem conhece um lugar inusitado acompanhado por um amigo que sabe tudo sobre lá.

Londres - Wimbledon 50

Londres - Wimbledon 54

Chegando pela estação Wimbledon e pegando um cab no ponto logo ao lado

Foi em Roland Garros que descobri que existe um tipo de turismo para amantes de tênis que é bem comum entre eles: a volta ao mundo pelo Grand Slam, um passeio pelas quadras dos quatro grandes torneiros – Australian Open, French Open, US Open e Wimbledon.

Londres - Wimbledon 52

Londres - Wimbledon 53

Entrada principal na Church Road, Gate 4

Claro que eu pirei na ideia de conhecer todas as quatro quadras.

Já foram duas, agora é só rezar para o Santo da Cotação e torcer para passar a virada do ano em Melbourne, já pensou? Enfim, continuemos:

Como chegar em Wimbledon

Chegar em Wimbledon é um pouco mais complicado do que chegar Roland Garros: uma alternativa legal, porém razoavelmente mais longa, é ir com a linha District até a estação Wimbledon. Cuidado para não usar o transporte público com o tíquete errado: tenha um Oyster Card ou um tíquete que te permita transitar entre as zonas um e três.

O que eu fiz foi usar uma das três linhas que passam pela estação Waterloo (Bakerloo, Jubilee ou Northern) e de lá segui de trem em direção a estação Wimbledon. O trem leva menos de 20 minutos e ele é interligado ao sistema de transporte público londrino, por isso eu também pude usar o Oyster Card.

Para ir da estação às quadras minha dica é pegar um Uber para economizar uma boa parte do seu dia. Para quem quer curtir o passeio, ou economizar no Uber, pegue o ônibus número 493 que sai de um ponto logo a frente na Wimbledon Road Hill.

O ônibus para na porta do estádio, não lembro exatamente quantas paradas depois, mas assim que você começar a passar por ele pode dar o sinal, ou diga ao motorista que você gostaria de parar próximo ao portão 4.

Londres - Wimbledon 51

Londres - Wimbledon 02

Os valores de 2013 e meados de 2014, além dos horários de admissão. Embaixo nosso guia inglês com português afiado

Wimbledon tem tour e tem museu

Geralmente as pessoas fazem o museu depois de passarem pelo tour guiado pelas quadras e pelas dependências do estádio.

É loucura tentar a sorte sem uma reserva de horário. Para fazê-la é muito simples, basta acessar o site. Portadores do London Pass passam pelo mesmo processo de reserva, basta escrever “London Pass” na caixa de comentários ao preencher o formulário.

O meu guia foi esse inglês da foto com pinta de galã que, surpreendentemente, falava português. Quais as chances de responder “I’m Brazilian” e descobrir que o guia inglês fala português com sotaque lusitano?

Londres - Wimbledon 03

Os fornecedores oficiais da temporada de 2013: eles aparecem uma única vem em todo o estádio, apenas nessa placa de mármore

Londres - Wimbledon 09

Londres - Wimbledon 06

O campeonato de Wimbledon é o torneio de tênis mais antigo do mundo, até porque o esporte nasceu ali pertinho, em Birmingham. Hoje, esse “English Open”, oficialmente conhecido como The Championships, é o único do Grand Slam que ainda acontece em quadras gramadas

Bem, antes de mais nada você precisa saber que o torneio inglês chama-se Wimbledon, mas o conjunto de quadras onde ele acontece é o complexo All England Lawn Tennis and Croquet Club, ou simplesmente All-England Club, uma associação para poucos e nobres: são menos de 400 membros, uma lista de espera que pode durar mais de 30 anos e uma seleção que inclui aprovação unânime.

Londres - Wimbledon 12

É na caixa-vermelha que a sorte dos muquiranas é lançada

O tour é muito legal como todo tour guiado deveria ser. Quem entende inglês, ou que tem a sorte de pegar o guia da foto, descobre pequenas curiosidades pelo caminho, como esses patrocinadores impressos no mármore: e não é que com a exceção de um enorme Rolex na quadra principal nenhum outro patrocinador expõe sua marca durante o torneio? Eles só aparecem ali, na listagem oficial, na entrada do estádio.

Outra coisa legal que descobri é que você pode doar o seu tíquete usado: os (loucos) que decidem deixar o estádio antes do fim do jogo ou torneio podem depositar o tíquete em uma determinada caixa que ele será revendido por um valor bem inferior ao original.

O pessoal na fila de espera tem a chance de entrar e o dinheiro da revenda vai para a caridade. Só no primeiro semestre de 2013 mais de 300 mil libras foram arrecadadas assim.

Londres - Wimbledon 22

Londres - Wimbledon 24 Descobri que essa pipa em forma de gaivota funciona como espanta pombos. Simples, barato e eficiente. Além de me fazer passar uns bons 10 minutos tentando fotografá-la

Londres - Wimbledon 25

Londres - Wimbledon 27

Londres - Wimbledon 28

Essa é a sala onde os jornalistas trabalham. Os principais veículos de imprensa, e os mais presentes todos os anos, possuem mais ou menos espaço. Claro que deve rolar o maior lobby de todos os tempos, mas só os veículos ingleses ocupam mais deu um terço das mesas disponíveis

Londres - Wimbledon 32

Bem, o resumo da ópera é que Wimbledon é completamente diferente de Roland Garros. Roland Garros tem um charme aristocrático, parece Paris do século passado. Já Wimbledon é mais jovem, menos pomposa. Enfim, são experiências completamente diferentes e todas duas inesquecíveis.

Já o museu de Wimbledon é uma grande bobagem. O de Roland Garros é bem mais interessante, e olha que o de Wimbledon é o mais tecnológico, tem até 3D. Enfim, eu já percebi que tanto lá quanto cá os museus são meras formalidades, tudo gira entorno do tour.

Londres - Wimbledon 500

Rodei foi convidado pela Visit Britain para conhecer algumas atrações em Londres e é claro a gente não ia deixar Wimbledon de fora

Para ler sobre meu pulinho em Roland Garros, clique aqui

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já sabe onde ficar em Londres? Não tem custo benefício melhor do que o do St Giles, um hotel super bem localizado no miolinho do Soho. Para quem tem pouco tempo na cidade vale olhar os arredores da estação King Cross St Pancras.

  Já contratou o seguro de viagem? Seguro é obrigatório na Europa! O buscador Seguros Promo é parceiro do blog e oferece até 10% de desconto para nossos leitores, além de parcelar em até 12x no cartão. Se tiver alguma dúvida, fale comigo!

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip europeu com internet boa de verdade! Aplique o cupom exclusivo RODEI10 e leve 10% de desconto – se tiver alguma dúvida, entre em contato comigo.

  Para alugar carro na Europa pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rent Cars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português e dividem em até 12x no cartão ou com desconto no boleto.


Sobre

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Sou jornalista, trabalhei com assessoria de comunicação e fui repórter de turismo. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Sou @rodeiviagens no Insta.


'Um pulinho em Wimbledon, Londres' têm 3 comentários

  1. 2 de fevereiro de 2017 @ 21:36 Danielle

    olá, parabéns pelo blog.
    tenho um london pass e tentei reservar o tour pelo site, mas não estou encontrando o local para reserva, apenas para compra. poderia me ajudar? obrigada

    Responder

  2. 3 de setembro de 2013 @ 23:30 Nah - Pra Ver em Londres

    Hey, Thiago. Tudo bem?
    Bem legal seu post sobre Wimbledon. Parabéns! :)
    Só uma coisinha: a estação de metrô mais próxima ao complexo não é a que leva o mesmo nome (pois é, pegadinha). Southfields fica mais perto. Dá pra ir a pé beeeem de boa e o trajeto ainda é agradabilíssimo. Sem querer fazer jabá, mas já fazendo, falamos um pouco sobre a experiência de assistir a uma partida no Grand Slam neste post: http://bit.ly/jiogFC
    Beijobeijo

    Responder

    • 5 de setembro de 2013 @ 18:08 Thiago Khoury

      Oi Nah, obrigado pela presença aqui no blog! Sim, sei que Souhtfields é a mais próxima, mas como existe um ponto de táxi na saída da estação Wimbledon achei mais prático sugerir descer ali. E tirando que o trem não chega até Southfields, chega? Bem, o legal é que agora nós já sabemos que a caminhada de quem desce na Southfields é bem agradável!

      Responder


Gostaria de deixar um comentário?

Seu endereço de email não será publicado.

*

Rodei Viagens 2010 - 2018. Todos os direitos reservados. Colabore com o blog! | Orgulhosamente hosted pelo DreamHost