Washington DC: derrubando forninhos desde 1790

Atualizado em

Estou aqui tentando organizar minhas ideias antes de publicá-las enquanto lembro o quanto gostei de Washington DC e como a cidade é surpreendente. Voltei um poço de adjetivos e desfilando uma certa intimidade, já que desde então não consigo chamá-la pelo nome completo, virou DC, simples assim.

Eu que já fui tantas vezes para os Estados Unidos descubro agora que na verdade não sei absolutamente nada sobre lá: eita país porreta!

Ah, mas eu prefiro Europa.

Bem, não seja chato, mude de post: como montar um roteiro na Europa.

DC e sua capacidade arrebatadora de embasbacá-lo

Ontem uns amigos e eu concluímos que o cinema americano tem uma qualidade fascinante: ele é o único, no mundo, que tem a capacidade de ser todos, absolutamente todos, de Fellini a Michael Bay. E estão todos disponíveis para que você escolha o que melhor te entretém.

Na verdade venho descobrindo que essa é uma característica americana – a impressão que tenho que é Washington DC quis entrar para o hall de capitais europeias sem cruzar a fronteira: uma rua com 12 dos maiores museus do país com entrada gratuita? Uma rotunda pintada por artistas europeus? Corpos de presidentes enterrados sob mármore Yule?

Washington-DC-7th-Street-Legal-Sea-Foods-02

Tomando um vinho local na rua 7, o ziriguidum do centro

Lembro que assim que cheguei em Washington DC decidi caminhar do meu hotel até o Capitólio no fim do dia, quando a luz do pôr do sol era arrebatadora: santo filtro divino, era só mirar e bater, zero empenho da minha parte, eu poderia fazer o mesmo com uma cybershot dos anos 1990.

E por falar em Capitólio, que lugar imenso!, e ao mesmo tempo relativamente vazio, até porque o maior inverno de todos os tempos já tinha sido anunciado. Não precisei de muito tempo para descobrir que aquilo era, na verdade, suas costas: mais alguns minutos de caminhada e dei de frente com um imenso corredor cercado por dezenas de museus e um espelho d’água que desemboca no monumento a Lincoln – outro lugar imenso e arrebatador: arquitetura grega em mármore americano? Os degraus onde Luther King parou o mundo para dizer que tinha um sonho? Um homem, sentado, com mais de 30 metros observando o Congresso ao fundo?

Bem, me fala: tem como ficar mais europeu do que isso?

Washington-DC-Capitolio-24-National-Mall

Washington-DC-Capitolio-46-National-Mall

Alguns dos maiores museus do país, e sem pagar nada por isso

Mas que tipo de cidade é Washington DC?

Bem, eu não sabia o que esperar: estava voltando de Chicago, uma cidade à prova de chatos, e imaginei que seria difícil me deixar conquistar – e foi: DC não me conquistou de primeira, o que aconteceu foi completamente diferente.

DC me deu uma surra, eu não esperava por aquilo tudo: precisei de tempo para levantar e me situar, tudo entre o Capitólio e o Lincoln Memorial continuava a me deixar completamente atordoado – é tudo muito grande, e tudo muito bonito!

Depois tentei conhecer a cena gastronômica e não me dei muito bem, mas também não foi nenhum tiro no pé: lembro que caminhei por aquele miolinho de Chinatown, mas Chinatown geralmente não me agrada.

Caminhei em busca da lenda de um Walmart que deveria ter aparecido muito antes se eu tivesse tido a pachorra de abrir o mapa, mas preferi ir passeando ao léu e quando vi já era madrugada, a cidade estava vazia, fria e tinha um pessoal mucho loco caminhando pelas ruas.

Washington-DC-Georgetown-18-Harbour

Washington-DC-Georgetown-36

O caminho das pedras (charmosas!) em direção a Georgetown

Fui na onda da Claudia e peguei o ônibus que sai de Union Station em direção ao Harbor – que lugar bonitinho esse! Troquei de calçada, subi alguns degraus e cheguei em Georgetowncaramba, eu viveria aqui! Depois fui ganhando Washington DC cada vez mais e o National Mall, que é tudo entre o Capitólio e o enorme Lincoln Memorial, ficava cada vez menos intimidador e se tornava cada vez mais convidativo – e caminhar durante horas já não era problema, pelo contrário, era solução.

Quanto tempo ficar em Washington DC?

Já falamos bastante sobre isso, mas supondo que sua viagem a Washington DC seja apenas uma viagem a Washington DC e nada mais, acredito que três ou quatro dias sejam suficientes. Tudo bem, podemos fechar em quatro, três seria desesperador.

Será que alugo carro em Washington DC?

Para ficar em Washington DC carro é dispensável: para fazer passeios curtos, chegar até os subúrbios ou fazer day-trips em cidades de Maryland e Virginia as pessoas geralmente contratam excursões ou usam transporte público. Só quem pretende fazer de DC o ponto de partida de uma viagem maior pela região da capital dos Estados Unidos que não deixa de alugar um carro.

Washington-DC-Georgetown-12-Harbour

O Harbor de Washington DC

Washington DC é uma cidade sisuda, estritamente política?

De forma alguma. Bem, antes de qualquer coisa vale lembrar que as pessoas tendem a chamar de Washington DC toda a região da capital – mesmo quando o sujeito chega no National Harbor de Maryland ele continua dizendo que “andou na roda gigante de Washington”.

Não importa: seja Washington DC de fato, ou o que convencionou-se chamar de Washington DC, a capital é extremamente agradável, não é nada sisuda e você se sente muito bem recebido, mesmo estando no coração do governo americano.

Lembro que como meu hotel ficava a dois quarteirões do Capitólio eu andava por ali com medo de estar atravessando alguma área protegida pelo governo, mas nunca ouvi um único “alto lá!”, pelo contrário, foi em Washington DC que conheci algumas das pessoas mais solícitas em uma viagem aos Estados Unidos.

Washington-DC-Capitolio-11

Essa é a parte de trás do Capitólio, com sua cúpula sob reforma quando estive lá…

Washington-DC-Capitolio-21

Library of Congress, em frente ao Capitólio

Preciso planejar minha viagem a Washington DC ou basta sair do hotel e começar a caminhar?

Bem, não: Washington DC não é uma cidade como Chicago ou Nova York onde tudo acontece a altura dos olhos e basta começar a andar – você precisa ter o mínimo de planejamento, caso contrário irá andar muito, e provavelmente em círculos, com a chance de não entrar na maior parte das atrações por falta de reserva ou atenção aos horários de funcionamento.

Por isso, independente de qual região você escolha para se hospedar, usar algum tipo de transporte é fundamental, o que por si só envolve um certo planejamento.

Só não posso deixar de dizer: jamais encare Washington DC como uma day-trip saindo de qualquer outro lugar próximo dali, como Nova York por exemplo. DC é muito maior do que um passeio de um dia: permita-se descobrir o quanto a capital é como o cinema americano e tem a capacidade de ser tudo, de Fellini a Michael Bay, basta escolher aquilo que mais te entretém.

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já sabe onde ficar em Washington DC? Paguei pouco pelo Washington Court, um super hotel com vista para o Capitólio. Selecionei também algumas opções bem no centro de Washington DC.

  Já contratou o seguro de viagem? Seguro é essencial nos Estados Unidos! O buscador Seguros Promo oferece até 10% de desconto para leitores do blog, além de parcelar em até 12x no cartão. Se tiver alguma dúvida, fale comigo!

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip americano com internet ilimitada de verdade – e através do nosso link exclusivo você leva 10% de desconto! Se precisar, entre em contato comigo.

  Para alugar carro nos Estados Unidos pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rent Cars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português e dividem em até 12x no cartão ou com desconto no boleto.


Sobre

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Se quiser receber os últimos posts do blog e minhas dicas no WhatsApp é só adicionar (31) 98263.3937 aos seus contatos e mandar um "alô" para ativar o robô do blog!


'Washington DC: derrubando forninhos desde 1790' têm 3 comentários

  1. 10 de abril de 2015 @ 12:24 Marcela

    Já tinha morrido de saudades de Chicago enquanto lia os posts de lá… Agora to com vontade louca de voltar pra DC… hahaha Eu estive lá só por dois dias (pouco, pouco, MUITO pouco) e compartilho os seus sentimentos! Que cidade deslumbrante! E tem tanta história, tanta coisa que aconteceu ali… Um dia ainda vou voltar… :)

    Responder

  2. 30 de março de 2015 @ 11:53 Fernanda Paes

    Realmente! Fui a DC duas vezes como day trip e não foi suficiente de jeito nenhum. No primeiro dia, não tinha noção da grandiosidade e da distância das coisas. Andei muito, muito, muito e fiquei muito tempo no Newseum (sim, consegui visitar o único museu pago de Washington) e foi só. Perdi muito tempo. No segundo dia, estava com minhas vovozinhas e pegamos um Hop-On Hop-Off. Achei válido demais! Adiantou a vida. Só conseguia lembrar da dor nas pernas que senti no primeiro dia fazendo todo aquele percurso andando infinitamente e sendo assada no pior clima de verão que conheci na vida. Tenho a sensação de ter conhecido 5% da cidade. Da próxima vez quero me hospedar em DC e ficar uns 5 dias no mínimo :)

    Responder


Gostaria de deixar um comentário?

Seu endereço de email não será publicado.

*

Rodei Viagens 2010 - 2019. Todos os direitos reservados. Colabore com o blog! | Orgulhosamente hosted pelo DreamHost