Atacama: Monjes de la Pacana e Salar de Tara

Convidei o meu amigo Igor para escrever sobre a sua viagem ao deserto do Atacama citando os passeios que ele e as duas meninas mais lindas de Curitiba fizeram juntos. São quatro posts escritos por ele e com imagens assinadas pelos três, até porque a câmera foi compartilhada ao longo da viagem.

Lembrando que os meninos não ficaram no Sumaj Jallpa, ficaram no La Casa de Don Tomás e gostaram muito.

Sem mais delongas, com vocês, o primeiro post do Igor e o meu passeio favorito no deserto do Atacama: Salar de Tara.

Salar-de-Tara

Monjes de la Pacana e Salar de Tara

  • Duração: entre 8:00 e 17:00
  • Preço: CL$ 54.000
  • Operadora: Turistour
  • O que passou pela minha cabeça? “E se a gente passasse o Reveillon no deserto?”

Foi mais ou menos assim que começou a história do fim de ano mais inusitado e divertido da minha vida. Já tínhamos combinado de passar a virada de 2013 juntos, mas apesar do plano original envolver Londres em junho já estávamos com as passagens compradas para Santiago e San Pedro de Atacama.

Chegando lá conseguimos fechar todos os passeios no primeiro dia. Tentamos procurar ferrenhamente a loja da Grado 10, como o Thiago indicou, mas acabamos fechando tudo com a Turistour. Os caras são bacanas e todo o processo de entender quais os passeios disponíveis, encaixar os melhores horários e dias, agendar e pagar não demorou mais do que 40 minutos.

IMG_2544

Os três personagens dessa série: Nataly de Curitiba, Igor de Belo Horizonte e Ju que agora é de São Paulo

Conseguimos colocar o tour mais comprido no primeiro dia, dois tours no segundo dia, descansar no terceiro dia e fechar a tarde do terceiro dia com um último tour.

Começamos no dia seguinte ao que chegamos em San Pedro indo aos Monjes de la Pacana e Salar de Tara. O pessoal da Turistour nos pegou no hotel por volta das 8:00 e partimos de van em direção à cordilheira andina. Confesso que não tinha sentido a presença do deserto até então, mas quando a van parou para observarmos os vulcões Licancabur e Hulriques, e depois durante o lanche no mirante Quepiaco, a realidade bateu e fiquei embasbacado com tanta beleza!

Facebook-icon Instagram-icon Twitter-icon Siga o blog nessas e em outras redes sociais: sempre @rodeiviagens Facebook-icon Instagram-icon Twitter-icon

Era muito cedo e muito alto, por isso o frio castigava. A equipe da van levou leite quente e chocolate em pó para ajudar a combater o frio que o espertão aqui fez questão de subestimar, levei apenas uma blusa não-tão quente; então você consegue imaginar quem fez o estrago no chocolate quente da turma, certo?

IMG_2543

Meus três amigos e dois dos vulcões mais famosos do mundo: Licancabur e Hulriques

IMG_2535

IMG_2561

E esse é o Mirante Quepiaco

Foi quando percebemos que as nuvens estavam aos pés dos vulcões, formando um “mar” branquinho e fofo na região da fronteira com a Bolívia. De acordo com a guia Julieta isso não acontecia desde quando ela começou a trabalhar na empresa, há mais de quatro anos.

Julieta explicou que o caminho até os Monjes de la Pacana, que também é a fronteira entre Chile e Bolívia, é recheado de minas terrestres, colocadas na época em que ambos os países estavam em guerra. Ninguém ousa tentar tirá-las porque as areias do desertos podem ter alterado a localização de algumas delas.

Monjes de la Pacana é uma região bem desértica, com dunas de areia e imensas pedras curiosas, formadas pela ação dos ventos ao longo dos anos. Fizemos uma caminhada de cerca de 20 minutos, para tirar fotos e observar maravilhados a beleza do lugar:

IMG_2581

IMG_2589

Antes de chegarmos ao Salar de Tara propriamente dito a van passou por um ponto estratégico para que pudéssemos fazer xixi (muito importante!) e seguir alguns metros a pé. Esse foi um dos caminhos mais bonitos da viagem, pois você começa em um ponto alto, com uma paisagem bem desértica, e vai descendo por um caminho com vegetação rasteira até ver o salar: uma imensa lagoa repleta de animais indecifráveis dentro dela.

Chegando mais perto a paisagem vai se enchendo cada vez mais de vida e podemos notar a quantidade assustadora de flamingos e lhamas (ou seriam alpacas?) que habitam a região. Dá pra chegar bem perto dos animais, mas a orientação é para não pisar na área verde que envolve a lagoa, evitando qualquer dano a um ecossistema que já é frágil por natureza.

IMG_2598

Selfie no deserto: Ju e Igor

IMG_2644

IMG_2647

IMG_2653

 E finalmente, o Salar de Tara!

Na viagem de volta, quando passávamos novamente pelas região das dunas, nossa van não conseguiu subir alguns pontos, então descemos e fizemos uma caminhada leve enquanto o motorista procurava um caminho mais fácil para voltar até a região mais alta, com acesso à estrada.

A temperatura não estava tão elevada, mas esse foi o momento em que mais senti o poder da altitude: pode ter sido falta de preparo físico também, mas ao fim da caminhada, quando já estávamos de volta a van, senti corpo e cabeça bem pesados. O chá de coca rolou solto enquanto voltávamos para o hotel.

IMG_2685

Quando a van atolou tentamos até pedir socorro para os carros que passavam, mas foi em vão

Nos próximos posts vou falar sobre acordar de madrugada no frio no deserto, sobre os vales mais famosos do Chile e fechar essa série com um mergulho em lagos de sal – mas se você tiver dicas interessantes para compartilhar sobre esse ou qualquer outro passeio, fique a vontade para deixar um comentário aqui ou me chamar no Insta.

Com a palavra, o blogueiro:

Pronto, agora sou eu falando novamente! Igor, obrigado pelo papo, mandou muito bem na discrição, mas preciso dizer três coisas importantes com relação ao Salar de Tara, que não é o passeio mais popular, mas deve ser o mais bonito:

Primeiro, se você tiver que escolher um único passeio para fazer de forma privada, escolha o Salar de Tara: chegar é apenas parte da aventura, o caminho de ida e vinda é ainda mais incrível. Quando se está sozinho, ou com o seu grupo de amigos, passar por Monjes de la Pacana, a região das pedras, é muito mais interessante. Lembro que com os meninos nós fizemos um verdadeiro rally, a sensação foi indescritível.

IMG_2670

Ju mostrando que tem ela e muita coisa bonita em Tara

Segundo, vale dizer que a van não ter força para subir já era esperado, aquele lugar não foi feito para vans – e devo dizer também que a única vez que usei Turistour a van também quebrou e ficamos quase uma hora esperando pelo resgate, quase perdemos o que pagamos para fazer ali: ver o pôr do sul no Valle de la Muerte. Eu fiz o meu passeio ao Salar de Tara com a Grado 10 em uma Land Rover com meus três amigos e um casal do sul que topou entrar para baratear o preço.

Terceiro, fiz o passeio contrário a esse do Igor: comecei logo pelo Salar de Tara e terminei o meu dia passando pelos lugares que ele citou no início. O ponto positivo que isso traz é ser o primeiro no Salar – e quando você estiver saindo os grupos estarão começando a chegar.

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já sabe onde ficar no deserto do Atacama? Eu fiquei no Sulmaj Jallpa, mas já dei muitas dicas de como escolher seu hotel no Atacama.

  Já contratou o seu seguro médico de viagem? Eu gosto da World Nomads, uma empresa australiana que cota em reais e oferece a maior cobertura que conheço pelo menor preço. Cote também nas melhores empresas nacionais de uma só vez pelo Seguros Promo.

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip de celular internacional com internet ilimitada. Se tiver alguma dúvida, entre em contato comigo!

  Para alugar carro no Chile pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rent Cars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português e dividem em até 12x no cartão ou com desconto no boleto.


Sobre

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Sou jornalista, trabalhei com assessoria de comunicação e fui repórter de turismo. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Sou @rodeiviagens no Insta.


'Atacama: Monjes de la Pacana e Salar de Tara' tem 1 comentário

  1. 10 de September de 2014 @ 20:45 Luciano e Andrea

    O Salar de Tara é fantástico. Faz menos de duas semanas que estávamos lá :)
    Só acrescentaríamos uma coisa: como é um dos passeios com maior altitude, é melhor deixar pra ser feito nos últimos dias por lá, assim já se está aclimatado com a altitude e os riscos de se passar mal (dor de cabeça e enjoo) são beeeem mais baixos – embora isso dependa de cada um!

    Responder


Gostaria de deixar um comentário?

Seu endereço de email não será publicado.

*

Rodei Viagens 2010 - 2017. Todos os direitos reservados. Termos de uso e política de comentários. Colabore com o blog!