12 verdades sobre o Hawaii que parecem mentiras

O Hawaii não parece fazer parte dos Estados Unidos

Como vim de um voo direto de Los Angeles, achei curioso passarem um vídeo com direitos e deveres de turistas e locais em solo havaiano, principalmente com relação ao que trazemos do continente – a sensação que tive era de que eu passaria pela imigração mais uma vez, principalmente quando passaram pelo corredor do avião distribuindo um formulário muito parecido com o antigo formulário de imigração dos Estados Unidos. Enfim, o Hawaii é, literalmente, o fim do mundo – nada está perto dele: a Califórnia, que está razoavelmente próxima, fica a quase quatro mil quilômetros de distância, o que as companhias aéreas fazem em pouco menos de seis horas.

As pessoas realmente fazem o hang lose com as mãos

Quando vi o primeiro hang loose achei que fosse brincadeira: logo depois que dei passagem para um carro no trânsito, a moça ao volante mandou um “shaka” para mim, ou seja, ela fez uma hang loose como quem diz “mahalo!” e abriu um sorriso tão sincero que quase pedi amizade no Face.

Sim, o hang loose nasceu no surf, mas foi rapidamente disseminado pela cultura havaiana, tanto é que na língua dos sinais ele significa surf, tanto verbo quanto substantivo. O shaka, que a gente chama de hang loose, é o joia havaiano com uma pitada de aloha.

Reparem a moça da direita mandando um shaka

O abacaxi realmente é muito popular…

Não que a gente encontre pé de abacaxi em qualquer canteiro, é preciso procurar por uma plantação (inclusive, a maior do mundo, da Dole, fica a caminho de North Shore). O que quero dizer é que o abacaxi é um ingrediente realmente popular na culinária havaiana e a gente o encontra em lugares onde ele geralmente não aparece, como no cheesecake, no pão, na pipoca e nas comidinhas dos menus de entrada.

Olha o abacaxi dividindo espaço com os “hidden mickeys” na colcha da cama

Hibiscus amarelo em um canteiro em frente ao Aulani

… mas é flor de hibiscus que a gente encontra a rodo por lá

Já o hibiscus havaiano a gente realmente vê em qualquer canteiro. Ele é original do Hawaii, tem sete tipos diferente na família e é a flor símbolo do estado, mas dizem que esse que a gente encontra sempre que estaciona o carro ao lado de um gramado não é nenhum deles, é uma versão híbrida e de origem chinesa – por falar em origem chinesa, o hibiscus sul coreano, flor símbolo de Seoul, também aparece os montes por Oahu e outras ilhas do estado.

O Hawaii deve ter mais shopping do que hibiscus

Claro que isso é exagero meu, mas a cultura do shopping é enorme no Hawaii, principalmente em Oahu onde eles tomam conta dos arredores de Waikiki. Parece que são 14 em Honolulu apenas, isso sem contar os arcades, lojas de rua e os os famosos estacionamentos americanos cercados por supermercados e lojas de departamento. Vale lembrar que o mítico Ala Moana é o sétimo maior shopping do país!

Uma das praças a céu aberto do shopping Ala Moana

O tempo é realmente louco, chove e deixa de chover em segundos

Chega a ser engraçado o quanto as condições climáticas do Hawaii não são dignas do selo Maju Coutinho de precisão e qualidade: em uma viagem tão longa, cara e almejada, é de se esperar que a possibilidade de chuva seja o seu maior receio, mas nenhuma chuva assusta mais do que a rapidez em que elas vem e vão.

Claro que como arquipélago que é as condições climáticas são inúmeras para as diferentes ilhas que compõe o estado, mas nem em uma mesma ilha as condições climáticas são as mesmas: Kapolei, a região mais seca de Oahu, recebe muito menos chuva do que as praias do norte e do leste. De qualquer maneira, vale dizer que os meses mais secos no Hawaii são os meses entre maio e setembro.

O povo havaiano é realmente muito bacana

Os havaianos são simpáticos, solicitos e eu tive experiências maravilhosas quando precisei de alguns deles para ouvir sugestões do que fazer, para onde ir e como me encontrar entre praias muito próximas e também muito parecidas. Eles se despedem com um shaka e aparentemente vivem o “aloha state of mind” em tempo integral – tanto é que são conhecidos por viverem no “hawaiian time”, ou seja, um ritmo muito particular que geralmente significa não fazer nada como muita pressa e não levar a pontualidade tão a sério.

O povo se reunindo domingo de manhã para limpar as areias de Waimanalo Bay

A língua havaiana está em uso, firme e forte

O estado do Hawaii tem duas línguas oficiais, o inglês e o dialeto havaiano que vem das ilhas da Polinésia. Eu imaginei que o havaiano fosse uma língua morta, mas não é de forma alguma: ela está em todos os nomes de ruas, bairros, destinos e pratos, e o curioso é que as pessoas realmente falam a língua, mesmo que sejam palavras pontuais em um diálogo em inglês.

Desde 1950 a língua havaiana entrou na pauta governamental para que não corresse o risco de morrer: em meados dos anos 1980 surgiram escolas infantis de imersão na língua nativa e hoje, quase trinta anos depois, temos médicos, advogados e milhares de “jovens adultos” fluentes na língua nativa. Mesmo que a Unesco ainda considere o havaiano uma língua em risco de extinção, pelo menos nas ruas, praças, praias e parques nacionais ela continua viva.

O açaí é bem popular no Hawaii

Tigelas de açaí são assustadoramente populares no Hawaii, infelizmente a probabilidade de encontrar o creme puro é nula, com sorte (principalmente em estabelecimentos brasileiros) você consegue encontrar o creme batido apenas com extrato ou xarope de guaraná, mas via de regra em uma única tigela de açaí a gente acaba levando também melancia, morango e mel, quando não coco e outras frutas.

Açaí é um prato típico entre surfistas havaianos e um item comum do café da manhã dos locais. Aqui você encontra uma lista feita por um local com alguns dos melhores açaís de Honolulu, mas eu destaco o do Island Vintage Coffee, a resposta havaiana ao Starbucks. Toda cafeteria IVC serve também açaí na tigela – não a melhor, mas também está longe de ser um erro.

Eu tentando pedir o creme de açaí mais simples possível do Island Vintage Coffee

Os colares de flores realmente existem – e o Hula também!

Não, você não será recebido no aeroporto com um colar de flores, mas é possível que receba um ao chegar no hotel, no luau ou em um jantar típico. O “lei” é um colar de flores de boas-vindas super tradicional: os “mestres do lei” usam flores naturais ou sementes, mas não existe uma regra clara na hora de confeccionar um colar de boas-vindas, vai da originalidade de quem o faz – aliás, não se esqueça de agradecer, muitas vezes com um abraço e beijo, o recebimento de um lei.

Por último, nunca, em hipótese alguma, tire o lei do pescoço na presença de quem o te presenteou.

É engraçado ver uma seção de “leis” na geladeira do supermercado!

O hula durante o Ka Wa, o luau do Aulani

Já o hula é uma dança típica que você invariavelmente irá assistir, seja no luau, seja em um jantar com música ao vivo havaiana ou em um dos palcos do shopping Ala Moana. O engraçado é que a duplinha hula com lei acontecem em ambientes que transmitem uma certa paz de espírito e são capazes de despertar um sorrisinho no canto da boca, mas isso vou deixar para que você perceba sozinho.

Sempre tem um filme sendo gravado no Hawaii – e um artista tomando sol na praia

Dizem que em 2004 o telefone do departamento de polícia local tocou insistentemente para noticiar a queda de um avião na praia de Mokule’ia, mas na verdade a carcaça do avião na areia fazia parte das filmagens da primeira temporada de Lost.

Lenda ou não, depois de Lost a porteira foi aberta de vez: Hawaii Five-O, North Shore, 50 First Dates, Pirates of The Caribbean, Jurassic World e vários outros filmes e séries de TV se passam no Hawaii – e alguns deles são rodados no Hawaii, mas não tem o Hawaii como cenário, como é o caso de Avatar.

O clima com poucas chuvas e muitos dias de sol ajudam, é claro, mas o governo do Hawaii mantem uma secretaria exclusiva para lidar com os inúmeros pedidos de gravação de pequeno, médio e “blockbuster” porte no estado. Eu mesmo fui dar um rolé pela praia e encontrei o Rei Arthur passeando por lá.

Sim, infelizmente Hawaii é uma viagem cara

Bom, é como eu disse lá em cima: Los Angeles, que é perto, está a quatro mil quilômetros de distância. Eu comprei minhas passagens com quatro ou cinco meses de antecedência e paguei 500 dólares com todas as taxas inclusas em um voo roud trip da American Airlines. Mesmo depois de compradas continuei acompanhando os valores não só da American, mas da United, Delta e Hawaiian Airlines, mas parece que o valor padrão é esse mesmo: aproximadamente 500 dólares por pessoa, muitas vezes o mesmo preço da viagem do Brasil à Califórnia.

Para quem não é adepto do hostel, prepare-se para acostumar com o fato de que a diária mais baixa será de aproximadamente 150 dólares, mais taxas governamentais e a fatídica “taxa de resort”, que pode ser diária e varia, geralmente, entre 50 e 200 dólares.

No mais, alugar carro, chip de celular e seguro de viagem é o mesmo valor de quem paga por qualquer um desses serviços em uma viagem aos Estados Unidos.

Claro que você pode economizar fazendo supermercado e os programas gratuitos que são os mais disputados (praia, obviamente), mas para começar a sonhar com uma viagem ao Hawaii esteja preparado a chegar nos Estados Unidos e de lá partir para o Hawaii – enfim, o pontapé inicial já demanda um certo investimento.

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já sabe onde ficar em Honolulu? Uma das melhores praias para procurar hospedagem é Waikiki, que é central e ótima para quem vai pela primeira vez. Eu sugiro que você dê uma olhada na rede Outrigger, como o Outrigger Waikiki Beach Resort e o Outrigger Reef Waikiki Beach Resort.

  Já contratou o seu seguro de viagem? Cote as melhores opções de uma só vez pelo buscador do Seguros Promo que parcela em até 12x no cartão. Leitores do blog ainda levam 5% de desconto com o cupom RODEI5, aproveite!

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip de celular americano com internet ilimitada – o frete é por minha conta! Se tiver alguma dúvida, entre em contato comigo.

  Para alugar carro no Hawaii pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rent Cars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português e dividem em até 12x no cartão ou com desconto no boleto.


Sobre

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Sou jornalista, trabalhei com assessoria de comunicação e fui repórter de turismo. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Sou @rodeiviagens no Insta.


'12 verdades sobre o Hawaii que parecem mentiras' têm 2 comentários

  1. 5 de July de 2018 @ 14:16 Betsy Queiroz

    Thank you, Thiago. Your post about Hawaii was especially interesting and well written. Gotta go there!

    Responder


Gostaria de deixar um comentário?

Seu endereço de email não será publicado.

*

Rodei Viagens 2010 - 2017. Todos os direitos reservados. Termos de uso e política de comentários. Colabore com o blog!