Para começar a rodar em Paris

Update: 16 de dezembro de 2016

Cidade luz, berço do iluminismo, capital do crepe de Nutella! Paris se tornou uma das cidades mais visitadas do mundo quando atingiu a marca dos 25 milhões de turistas ao ano – bem-vindo a Paris, a cidade que deu nome ao beijo mais gostoso!

Paris é assim, ou você chega apaixonado ou chega com a mãe

Horário: quatro horas a mais | Língua: Francês | Moeda: Euro | Emergência: 112 (número padrão de emergências da União Europeia, atendimento em diversas línguas)

Oi: Salut | Tchau: Au revoir | Por favor: S’il vous plaît | Obrigado: Merci

Consulado: 34 Bis, Cours Albert 1ER 75008. Fone (apenas para emergências): (06) 8012.3234

Sites turísticos do país, da cidade, do transporte público e do aeroporto internacional.

Ligação a cobrar para o Brasil via Embratel discando 0800 990055 ou use um chip internacional.

Clima de Paris

Paris tem esse friozinho charmoso que faz parte da cidade em qualquer época do ano, exceto no verão (claro que no inverno o charme pesa na mão). Outro lugar bacana de se visitar tanto na primavera quanto no outono, mas eu escolheria a primeira opção, que deixa a cidade no fim de tarde ainda mais bonita – verdade seja dita, a luz que banha lá não banha cá, Paris parece ter um sol só seu.

7 coisas que aprendi sobre Paris

Dinheiro em Paris

Sou do tipo que acha Paris extremamente cara. Claro que ainda existem opções baratas, elas sempre existirão, mas para o turismo necessário de primeira-viagem Paris é um susto. Cada baguete mais salgada do que a outra, principalmente nas regiões mais badalas.

O turismo obrigatório também não é dos mais baratos. Uma alternativa que pode casar com perfeição é estar na cidade no primeiro domingo do mês, quando os grandes museus não cobram pela entrada.

Se você curte uma boa ópera, a única solução é ser um dos 62 “sortudos” que assistem as apresentações da Opera National de Paris por apenas 8 euros – de pé, uma hora depois de terem começado, no fundo do grande teatro.

Transporte público em Paris

Paris tem um dos transportes públicos mais eficientes da Europa. O metrô é rápido, seguro e muito lógico: cada linha tem um início e um fim, basta saber onde a estação de desembarque está para não correr o risco de viajar na direção contrária. Não é tão limpo e não possui tantas linhas renovadas como o de Londres, mas é tão útil e popular quanto.

É possível comprar o passe único ou o carnê com dez viagens por um preço reduzido e utilizá-lo em todo tipo de transporte público. Em várias estações você poderá adquirir também sua própria Carte Orange: por um preço um pouco superior ao carnê ela possibilita viagens ilimitadas em um período de sete dias. Compre apenas se você ficar restrito aos limites de Paris por um período significativo: você precisará de uma foto 3 por 4 que pode ser tirada em cabines automáticas nas grandes estações da cidade.

É importante saber a diferença entre o metrô comum e os trens RER que fazem viagens mais longas e com um menor número de paradas. São os RER que utilizamos para ir a Versailles, para os parques da Disney ou para os subúrbios de Paris, mas os tíquetes são os mesmos do metrô, desde que você continue na mesma zona pretendida. Grande parte das atrações turísticas está nas zonas um e dois.

O primeiro château a gente nunca esquece: Vaux le Vicomte

La Vallée Village, as compras mais baratas em Paris

Pegar o ônibus não é uma coisa que acontece sempre (mas deveria, já que assim você não perde a paisagem). Assim como em Londres você provavelmente irá usá-lo à noite, quando já não houver mais metrô.

Como a cidade é muito grande e as coisas ficam relativamente distantes, corridas de táxis podem não ser as baratas.

Em Paris rola também muita bicicleta, você pode alugá-las nas ruas em lugares estratégicos e devolvê-las em qualquer outro ponto de retirada – em teoria. Não diga que não avisei: o auto-aluguel de bicicletas em Paris pode acabar com o seu dia, raramente o cartão de crédito passa sem grandes problemas e você não percebe o real estado da magrela antes de começar a pedalar.

Vista de Paris do alto do Arco do Triunfo com La Défense ao fundo

Hospedagem em Paris

Dormir em Paris é mais barato do que dormir em Londres. A diferença é que aqui a oferta de pequenos hotéis franceses é muito maior do que a de gigantes multinacionais. Por isso, acostume-se com o fato de que na França você fará como os franceses: aqui os quartos são realmente menores, mais antigos e não é sempre que se pode contar com um elevador.

Tem muita gente que escolhe ficar nos arredores do Quartier Latin, que é sempre muito animado e bacana de visitar, mas acredito que lá as possibilidades de cair em uma espelunca são maiores. Por isso, pesquise, leia comentários, veja fotos.

Eu pessoalmente gosto do Le Marais, a direita da Rue de Rivoli. Acontece que Le Marais é uma vizinhança extremamente parisiense e você não fica imerso naquela quantidade de turista desavisado.

Um ótimo lugar para se hospedar em Paris

Mas, enfim, esteja sempre bem próximo a uma estação de metrô.

Segurança em Paris

Siga sempre o bom senso: se anoiteceu e você está andando em um lugar completamente deserto, seja esperto e troque de rua, mesmo que você precise andar um pouco mais. Evite as estações de metrô Les Halles, Chatelet, Gare du Nord e Stalingrad assim que escurecer. Infelizmente ainda há incidência de crimes de ódio e ações de gangues nestas estações e em suas proximidades.

Quando você vai ou volta para os subúrbios de Paris é comum encontrar nos trens e metrôs pedintes entregando um bilhete traduzido em várias línguas. Se você for contribuir com aquilo que ele pede (eles fazem questão que seja o valor escrito no cartão), ótimo. Caso contrário, diga “não” e continue em seu caminho.

Comer e se divertir em Paris

Paris não é um dos lugares mais baratos para se comer e beber, mas acredite, vale cada centavo gasto. Se você puder escolher uma cidade para economizar na comida, que ela não seja Paris.

Os restaurantes de esquina são deliciosos, servem comidas simples e sofisticadas por preços que giram entorno dos 20 euros com aperitivo, prato principal e sobremesa (são os chamados “pratos do dia”). Caso você queira fugir desse “combo”, bons pratos principais com vinho ficam entre 15 e 20 euros.

Como um restaurante barato pode custar os olhos da cara em Paris

Lembre-se: Paris é a cidade da baguete, do vinho, do queijo! Uma garrafa de vinho nacional (e essa foi a piada do dia) é muitas vezes mais barata do que uma garrafa de água mineral. Um delicioso lanche de fim de tarde é formado por uma taça de vinho com o pout-pourri de queijos.

Dica: ao pedir água, diga “eau” para receber água filtrada gratuita ou “eau minerale” pela garrafa de quatro ou cinco euros.

Esse é o final da Champs Elysées, com o Arco do Triunfo ao fundo

Gorjeta em Paris

Aqui rola sempre uma dissonância entre serviço e cliente, mas a verdade é que os famosos 10% (que aqui costumam ser 15) já vem incluídos na conta: o que acontece é que lá eles aparecem como “serviço” e não como “gorjeta”. Quer dar algo a mais? Um ou dois euros por pessoa já é mais do que o suficiente.

Turismo em Paris

Esqueça essa de que a língua inglesa é malvista por aqui: inglês é a língua universal e todo mundo que pretende vender um bem ou serviço vai se esforçar para se comunicar com o universo. Uma única vez uma senhora não conseguiu me vender uma taça de vinho porque ela nem sequer entendia mímica.

Existe sempre muito turista nas ruas e não falar francês não será empecilho – mas saiba pelo menos o básico, mesmo que esteja anotado, e perceba como tudo se torna incrivelmente fácil.

Já sabe onde ficar em Paris? Conheça minha dica de hotel em Paris, indico tanto que todos os amigos já conhecem.

Já contratou seguro médico de viagem aceito na Europa? Conheça a World Nomads, uma empresa australiana com ótimos preços e com a maior cobertura que conheço.

Já sabe onde alugar carro na Europa? Para fazer um bom negócio pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rental Cars.

Para sair do Brasil com pacote de ligação e dados, leia sobre a minha experiência com a Travel Mobile nos Estados Unidos – agora eles também possuem planos para a Europa!


Sobre

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Sou jornalista, trabalhei com assessoria de comunicação e fui repórter de turismo. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Sou @rodeiviagens no Insta.


'Para começar a rodar em Paris' têm 11 comentários

  1. 10 de January de 2015 @ 17:55 Yara

    Site super, mega organizado. Tem me ajudado bastante nas minhas mochiladas! :)

    Responder

  2. 18 de December de 2013 @ 17:15 Natalia

    Olá! Adorei as dicas, mas queria dizer que é falta de educação dizer “Salut” para quem você não conhece, pois eles só cumprimentam familiares e amigos íntimos assim. Melhor dizer “Bonjour, excusez-moi”! :D

    Responder

  3. 31 de August de 2011 @ 13:18 Débora Borges

    Simplesmente adorei tudo!!! Ahhh não vou a Paris nem apaixonada nem com a minha mãe, mas com certeza vou amar!! rss PARABÉNSS E OBRIGADA PELAS INUMERAS DICASS!!

    Responder

  4. 23 de June de 2010 @ 1:39 @aliceg1212

    Existe jeito de deixar um desenho de um bonequinho envergonhado aqui?

    Eu não estava nessa página… =/

    Escargot? (Argh x2). Fico com os crepes e as batatas! E o Croissant com Capuccino? Tem também?! E na França ainda pode fumar ou também ficou tudo proibido como no Brasil?

    Cheers and sorry for the mistake…. =/

    Responder

  5. 22 de June de 2010 @ 19:58 @aliceg1212

    Mas espera… você falou muito e disse pouco… a comida!

    E um belo prato de massa italiana original? Um Talharim, um spaguetti, uma maravilhosa lasanha 4 queijos….

    Pergunta? Só sobre o exterior? Assim só meu sobra os EUA… E o Brasil? Também quero palpitar….

    Cheers,

    Responder

    • 22 de June de 2010 @ 21:51 Thiago Khoury

      Alice, mas você queria ter publicado isso aqui mesmo ou no “para começar a rodar” de Roma?

      Enfim, massa tem aos montes, macarrão principalmente tem em todo lugar, mas em Paris é melhor ir de crepes, batatas (purê, gratinada…), vitela… E escargot pra quem gosta (argh!). Deixa os os italianos para Roma!

      Sim, apenas Europa e Estados Unidos. Por enquanto. Um abraço!

      Responder

  6. 28 de May de 2010 @ 20:49 Daniela Fagundes

    Thiago!!! Que bacana o blog!!! Adorei!!!
    Beijinhos para a Claudinha.

    Responder

  7. 28 de May de 2010 @ 16:23 Lu

    Ahhh Paris… só vou discordar em uma coisa: não necessariamente se chega com a mãe ou apaixonado. Paris, solteira, em um mochilão com as amigas pode ser beeem interessante! Vai por mim. hahaha

    Responder

    • 28 de May de 2010 @ 19:10 Thiago Khoury

      Desculpa Lu, concordo plenamente! Mande notícias de Paris!

      Aliás, você bem que podia mandar uma foto com as amigas pro “quem já rodou” heim? Só pra não restar dúvidas quanto ao “beeeem interessante”!

      Responder

  8. 11 de May de 2010 @ 23:46 Aninha

    Que maximo isso aqui!!!

    Responder

  9. 6 de May de 2010 @ 19:24

    beleza Thiago, vc nos dá um feedback completo , o feeling necessário para sobreviver em Paris… show de bola!

    Responder


Gostaria de deixar um comentário?

Seu endereço de email não será publicado.

*

Rodei Viagens 2010 - 2017. Todos os direitos reservados. Termos de uso e política de comentários. Colabore com o blog!