Dicas para passar pela imigração

Update: 4 de março de 2013

Agora você pode ler o que aconteceu comigo no início de 2013: fui para a salinha da imigração comemorar 16 vezes no aeroporto de Miami

Se tem uma coisa que brasileiro não gosta é a tal da imigração. É impressionante o número de turistas que perdem o sono quando lembram que estão prestes a passar pelos agentes de fronteira.

O medo tupiniquim não é difícil de ser explicado: brasileiros são realmente vistos com cautela em países que não são sul-americanos. A começar pelo nosso passaporte, um dos mais visados no mercado paralelo: tanto a loira dos olhos azuis quanto o mulato com rastafári são legitimamente brasileiros, o que aumenta o interesse ilegal pelo nosso passaporte.

A população brasileira que imigra de forma ilegal é grande: em 2003 era de aproximadamente 100 mil brasileiros por ano, um número que deve ter crescido bem de lá para cá.

Somos um país emergente onde a maior parte das viagens internacionais são conquistadas com uma dose cavalar de pesquisa e dedicação. Brasileiros dificilmente idealizam, organizam e realizam viagens internacionais em um espaço de tempo inferior a seis meses, o que aumenta as expectativas e o receio de interrompê-la por algum motivo qualquer.

Passar pele imigração é uma coisa simples desde que feita de forma correta. Preste atenção nas dicas:

Por @runningdevine

Dicas para passar pela imigração

– Nenhum visto de turismo ou estudo em um passaporte comum garante sua entrada no país escolhido. Esteja você entrando em um país de visto previamente concedido ou não, quem decide se você vai ou não seguir viagem é o agente de fronteira que realiza a entrevista.

– O momento mais sério da viagem é agora, por isso, comporte-se de maneira formal: deixe os amigos de lado para que o comportamento, ou a entrevista, deles não influencie no seu resultado final.

– Apresente-se com o passaporte aberto na página do visto ou de identificação, além do cartão de imigração entregue no avião já preenchido. Se você tiver um passaporte anterior que mostre entradas prévias é interessante levá-lo também.

– Mantenha a calma, aja tranquilamente. Todo entrevistador tende a fazer cinco perguntas principais: de onde você é, o que veio fazer ali, quanto tempo irá ficar, quanto possui em dinheiro e onde pretende se hospedar. Seria interessante que você soubesse respondê-las na língua local, mas existem tradutores disponíveis e não há nada mais comum do que utilizá-los caso o agente deseje chamá-los – mas lembre-se que ninguém desembarca em um novo país exigindo a presença de tradutores!

– Responda todas as perguntas de forma simples e direta, evite complicar ou treinar o idioma. Existem muitos agentes de fronteira que fazem cara feia e repetem as mesmas perguntas várias vezes, isso também é normal.

– Existem documentos essenciais, como algo que comprove sua profissão, algo que comprove sua hospedagem, dinheiro para permanência no exterior e passagens de volta. Uma pasta organizada, como disse antes, também é importante. Um cartão de visitas geralmente basta para comprovar sua ocupação.

– Lembre-se que para toda viagem ao exterior é indicado ter um seguro de viagem, e quando se trata de Europa a indicação passa a ser obrigação. Leia mais sobre isso aqui e, além do fato de passar ou não pela imigração, não economize em prevenção! Use o buscador Seguros Promo, que é parceiro do blog e oferece 5% de desconto para leitores através do link, e escolha uma opção abrangente, mas que caiba no seu bolso.

– Jamais minta. É possível que eles tentem confirmar qualquer informação durante a entrevista. Se você disser que trabalha em uma grande multinacional é provável que você tenha que mostrar um cartão ou testem sua resposta no Google. Se você disser que está indo em um encontro de revistas em quadrinhos não se assuste se te perguntarem quem é Peter Parker.

– Sobre contradições: se você é estudante, como explicar uma viagem de férias em maio ou novembro? Diga apenas o essencial, aquilo que não permita outras interpretações.

– Sobre mentiras: nunca diga que não conhece ninguém no país se um amigo estiver te esperando na porta do aeroporto. Nunca diga que veio fazer apenas turismo se estiver carregando 10 mil dólares no bolso (diga “vim fazer turismo e compras”). Nunca diga que irá ficar em hotel se for ficar na casa de amigos e nunca diga que é médico se for estudante de medicina.

– Vale repetir: nada mais comum do que pedirem que você mostre o dinheiro trazido na viagem ou cartões de crédito. Se você decidir levar cartões pré-pagos não deixe de levar também os recibos de depósito. Lembre-se: não é necessário ser rico para viajar, mas é necessário ter uma quantia que faça jus ao tempo de viagem e saber justificar a origem daquele dinheiro.

– Não existe um valor mínimo estipulado por viagem, mas um orçamento inferior a 50 dólares diários pode causar questionamentos. Lembre-se que a quantia de dinheiro tem que ser proporcional ao seu tempo de viagem.

– Se você for patrocinado durante a viagem por alguém que more no local visitado, tenha uma carta patrocínio que explique a ausência de dinheiro.

– Falando em carta, tenha sempre as reservas dos hotéis ou albergues guardadas, mas se for ficar na casa de amigos ou parentes, tenha então uma carta convite.

– Nos Estados Unidos é comum encaminhar alguns passageiros para uma salinha enquanto informações são verificadas ou quando é impossível estabelecer comunicação. Mantenha a calma: “ir para a salinha” não é nada complicado.

– Em teoria a aparência não é fator decisivo para considerar a entrada de turistas, mas é claro que a realidade é outra: em “Refusal Shoes” (história romanceada de um agente de imigração inglesa que olhava para os sapatos dos passageiros antes de decidir se eles passariam ou não), o autor Tony Saint diz que é fácil olhar para alguém e saber se aquela pessoa é aquilo que diz ou se está interpretando um personagem. Ele cita os empresários que decidem conhecer Londres pela primeira vez durante as férias e chegam de terno e sapato sem falar uma única palavra em inglês.

– Última dica: lembre-se de dizer apenas a verdade e tenha como comprová-la. Os oficiais de imigração seguem a máxima “if in doubt, keep them out”. Seja harmônico com suas respostas e mantenha-se organizado. Infelizmente os agentes de imigração possuem a autoridade para barrar qualquer passageiro, além de não existir reembolso pelas passagens compradas.

Perguntas mais comuns sobre imigração

Como irei me hospedar em vários hotéis ao longo da viagem, o que digo na imigração?

Diga que irá ficar em vários hotéis durante a viagem.

Mesmo que eu não tenha reserva em todos eles?

Mostre as reservas que tem e diga que as outras serão feitas ao longo da viagem. Não se esqueça: evite viajar sem reservas.

Caso eu fique na casa de um amigo, devo dizer a verdade ou fazer uma reserva falsa em um hotel ou albergue?

Diga a verdade. Todos podemos ficar hospedados na casa de amigos que sejam residentes legais.

Mesmo que eu mescle hospedagem em hotéis e casa de amigos/parentes?

Sim.

Irei chegar em uma grande cidade, mas depois sigo para o meu destino final. Onde que a imigração será feita? Existem duas imigrações?

Ninguém faz imigração duas vezes no mesmo país. Caso isso aconteça (o que já aconteceu comigo, no Brasil, quando o voo possuía escala em São Paulo mas permanecia internacional até Belo Horizonte e ainda houve troca de aeronave), algum erro aconteceu.

Existem mil formas de se comprar um trajeto aéreo com paradas, mas é bem provável que a imigração seja feita assim que você aterrissa em solo estrangeiro. Se o trajeto aéreo inclui paradas não só em diferentes cidades como em diferentes países, lembre-se que você pode precisar de um visto de trânsito e deverá passar pela imigração.

Fui para os Estados Unidos há menos de um mês e estou voltando agora, como explico isso? Será que serei barrado?

Você deve dizer o que está fazendo ali: visitando alguém, compras, turismo, participando de um seminário… Com visto de turista, sua única obrigação é não permanecer ali por mais de 6 meses, mas não existe limite de viagens.

Tenho passaporte europeu. Passo pela entrevista mesmo assim?

Sim, a imigração independe do passaporte. Você precisa de documentos de apoio da mesma forma (update: agora são bem comuns guichês eletrônicos para portadores de determinados passaportes, isso pode facilitar a entrada em países da Europa e Estados Unidos se você possui passaporte europeu).

Estou viajando com amigos, mas todas as reservas estão em meu nome ou estou viajando com namorado (a)/marido (mulher) que possui passaporte europeu e irá para uma fila diferente, o que faço?

Faça cópias dos comprovantes e entregue para os amigos ou para o namorado (a)/marido (mulher). Baste eles dizerem que estão acompanhados pela pessoa que aparece com o nome nas reservas.

Estou viajando com meu namorado (a), mas não somos casados e não possuímos o mesmo sobrenome, podemos passar juntos?

Sim, não custa tentar. O agente perguntará se vocês são casados, você dirá que são apenas namorados e dificilmente ele irá separá-los.

Estou viajando com meu enteado, minha sogra ou qualquer outro parente que não compartilhe o mesmo sobrenome, devemos entrar separados?

Não, tente passar juntos, vocês dificilmente serão separados.

Estou viajando com amigos que não falam inglês, podemos passar juntos pela imigração?

Não.

Não falo inglês, posso requisitar um tradutor o quanto antes?

Não. Apenas se o agente decidir requisitá-los eles serão chamados. Ninguém desembarca em um novo país exigindo a presença de tradutores.

Posso levar o celular para traduzir o que quero falar?

Claro que pode caso as coisas caminhem para essa direção, mas ninguém viaja pensando nisso ou esperando por isso. Viajar com celular, e com um chip internacional com internet ilimitada que te permita se comunicar de todas as formas, é questão de segurança, eu não fico sem.

Quando fiz a entrevista para o visto, disse que iria viajar para a Disney em julho, mas estou indo para Nova York em agosto. Como, quando e onde explico essa troca?

Não é necessário explicar. Nada do que é dito durante a entrevista de visto é cobrado durante a passagem pela imigração.

Sidney International Airport

Como funciona a carta convite?

O residente lhe envia uma carta (tradicional, via correio, para o Brasil) convidando-o para se hospedar em sua casa entre os dias de sua viagem. Simples assim.

Existe email convite?

Teoricamente não porque um email convite não teria o carimbo dos Correios comprovando o envio e o endereço do remetente.

É indispensável viajar com uma carta convite?

Não. Como o visto foi legalmente concedido (ou o país não requer visto para turismo) não seria necessário carta convite ou nenhum outro documento de apoio, mas a gente sabe que a realidade é outra.

Carta convite diz respeito apenas a hospedagem e independe de qual passaporte você possui. Caso o “convite” seja feito pelos próprios pais, filhos ou família próxima, a carta não é necessária – nos guiamos pela realidade da situação: uma coisa é se hospedar na casa de um amigo, outra é se hospedar na casa dos próprios pais.

Estou saindo do Brasil com várias roupas, sapatos e acessórios, isso representa algum problema?

Não.

Estou viajando sozinho, isso representa algum problema?

Não.

Estou viajando com a família inteira, isso representa algum problema?

Não.

Quem já teve visto negado ou entrada negada em países da Europa pode ser barrado nos Estados Unidos ou em outras viagens pela Europa?

Você será arguido sobre o visto/entrada negada, mas isso não define a sua nova passagem por lá.

Um amigo/parente disse que teve a entrada negada no exterior, mas não tive mais notícias desde então. O que posso fazer?

Entrar em contato com o consulado ou embaixada brasileira no país via email ou telefone através do Portal Consular.

Qual o melhor lugar para se entrar na Europa?

Não existem lugares melhores ou piores. Existem lugares que possuem um maior índice de brasileiros barrados nos últimos tempos, como Madri, na Espanha – justamente o lugar que recebe o maior número de brasileiros ilegais.

Quem é turista e planeja uma viagem legal deve entrar pelo lugar que oferece um maior leque de facilidades como preço e possibilidade de realização de roteiro.

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já sabe onde ficar? Leia todas as minhas dicas de hospedagem e faça a sua escolha!

  Já contratou o seguro de viagem? Viajar com seguro é essencial! O buscador Seguros Promo é parceiro do blog e oferece até 10% de desconto para nossos leitores, além de parcelar em até 12x no cartão. Se tiver alguma dúvida, fale comigo!

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip internacional com internet ilimitada de verdade - e através do nosso link exclusivo você leva 10% de desconto! Se precisar, entre em contato comigo.

  Para alugar carro no Brasil e no exterior pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rent Cars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português e dividem em até 12x no cartão ou com desconto no boleto.


Sobre

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Se quiser receber os últimos posts do blog e cupons de descontos exclusivos no WhatsApp é só adicionar (31) 98263.3937 aos seus contatos e mandar um "alô" para ativar o robô do blog!


Rodei Viagens 2010 - 2019. Todos os direitos reservados. Colabore com o blog! | Orgulhosamente hosted pelo DreamHost