13 de agosto de 2022
Para onde vamos agora?

Como passar pela segurança em aeroportos americanos

Atualizado em 28 de novembro de 2017 por Thiago Khoury

Sei que é incômodo passar pelos procedimentos de segurança em aeroportos americanos, mas vale lembrar que são procedimentos de segurança, e é de se esperar que um país que tenha vivido o maior furdúncio terrorista de todos os tempos adote medidas cautelares mais extremas do que outros.

Como passar pela segurança em aeroportos americanos

Primeiro, vale dizer que segurança não é imigração ou alfândega, segurança é quando você comprova que você é quem você diz ser, ou seja, o dono da passagem. Junto a essa checagem final, que acontece quando você já tem a passagem em mãos, já despachou a bagagem e está indo em direção ao portão de embarque, você aproveita para mostrar que não esta levando nada que possa prejudicar a segurança do voo.

A segurança é dividida em três etapas: (1) apresentar passaporte e passagem, (2) colocar os calçados, cintos, relógios e qualquer objeto dos bolsos na esteira e (3) passar pela revista eletrônica que pode ser através de raio-x tradicional ou scanner corporal.

Nem sempre acontece, mas é comum ver cachorros farejadores ou ter um produto invisível pincelado nas mãos que acusa presença de pólvora.

Você pode se recusar a passar pelo scanner corporal, mas nesse caso você passará por uma revista manual minuciosa enquanto a fila atrás de você não para de crescer.

Como passar pela segurança em menos tempo e com menos incômodo

  • Tenha passagem e passaporte e mãos

O segredo é colocar a passagem entregue no check-in na página de identificação do passaporte, aquela que mostra o seu nome e foto. Em trechos internos você pode usar carteira de identidade ou documento de habilitação, mas é claro que isso não irá ajudar a diminuir o tempo de fila, pelo contrário, você precisará mostrar o que e onde olhar cada informação necessária.

  • Coloque líquidos em um saco lacrado transparente

Lembre-se que líquidos só são permitidos em embalagens que comportem menos de 100 ml. Você não pode levar o restinho de seu shampoo predileto em sua embalagem original, é necessário usar embalagens de viagem. Assim que chegar a sua vez de passar todos os pertences pele esteira, não se esqueça de tirar a sua sacolinha transparente da mochila.

  • Use sapatos confortáveis e fáceis de calçar

Será que as pessoas ainda usam fundos falsos em sapatos com salto para transportar drogas? So last season. Enfim, saiba que sapatos, mesmo que sejam chinelos, devem ser retirados antes de passar pelo raio-x.

  • Nada no bolsos

Carteira ou celular, plástico ou metal, não importa, tudo deve sair dos bolsos ao passar pelo raixo-x. A dica é ter um porta “produtos essenciais” para não precisar sair catando seus pertences depois. Isso diminui o tempo de espera de quem precisa aguardar o sujeito da frente abrir espaço para o próximo da fila.

O mesmo para camadas desnecessárias de roupa: você jamais precisará tirar calça, camisa ou meias, mas camadas superiores, como casacos e moletons, também devem sair.

  • Cuidado com os eletrônicos

Não são exatamente todos os eletrônicos que devem ser tirados de cases e mochilas, mas, principalmente computadores, precisam passar pela esteira em bandejas separadas. Tirar todos antes que peçam para que você o faça é de uma praticidade sem limite.

Novas regras para menores de 12 anos e viajantes “confiáveis”

Crianças com até 12 anos não precisam tirar os sapatos antes de passar pelo raio-x e, salvo possíveis exceções, não serão chamadas para revistas manuais. Outra coisa que anda rolando nos aeroportos de Atlanta, Dallas e Detroit é a fila expressa para turistas previamente selecionados com apenas uma bagagem de mão. Eles também poderão manter os sapatos ao passar pelo raio-x.

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já contratou seguro de viagem? Seguro é essencial, principalmente em tempos de Covid! O comparador Seguros Promo oferece pelo menos 10% de desconto para leitores do blog e ainda parcela no cartão!

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip internacional com internet ilimitada de verdade - e através do nosso link você leva pelo menos 15% de desconto! Para saber como escolher o seu, leia isso!

  Para alugar carro no Brasil e no exterior pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez na Rentcars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português!

Previous Article

Participe da nova pesquisa e colabore com o blog!

Next Article

Receba suas compras nos lockers da Amazon

You might be interested in …

10 Comentários

  1. Boa noite Thiago;

    Gostaria de saber algo simples.
    Uma pessoa que teve anotado no seu visto B1/B2, concedido para 1 ano a especificação: To Orlando, Fl., ao chegar em Orlando e cumprir os seus dias de parque, pode voar para MN e voltar por Orlando? De Orlando para MN passa por imigração ou é considerado voo doméstico?
    Grata pela atenção.
    Aguardo retorno.

    1. Olá Alessandra, sim, é considerado voo doméstico. Algumas vezes são feitas anotações no visto, mas ele é válido para todo o território americano durante o período em que ele é válido.

  2. Virei fã do seu blog, tem muita informação e bem direto, são dicas muito úteis e com certeza vou usar antes, durante e depois da viagem.

    Sou deficiente auditivo e uso implante coclear, não tenho nenhum problema de fala, que é 100% normal. Mas não posso passar pelo detector de metais e pelo raio-x só posso passar se eu tirar o aparelho que fica na orelha e sempre carrego a bateria no meu bolso.

    Como proceder na segurança dos aeroportos americanos?

    Grato!

    1. Olá Victor, que bom que gostou do blog! Tive que procurar o que é um implante coclear. A primeira dica é: da mesma forma que eu desconhecia, as chances dos agentes de fronteira desconhecerem também são grandes, por isso, explique. Implante coclear em inglês é “cochlear implant”, vale inclusive levar algo escrito, assim você pode justificar a seu desejo de não passar pelo detector de metais.

      De qualquer forma, descobri também esse blog aqui http://turnonmyears.blogspot.com.br/2010/04/airport-travel-with-cochlear-implant.html onde a autora fala da experiência dela viajando com um filho pequeno com o mesmo implante. Leia, é interessante. Ela diz que nas pesquisas que fez descobriu que a maioria das pessoas passam pelo detector sem nenhum problema, alguns reclamam de um zumbido apenas. Disse que os agentes da TSA parecem estar preparados para situações como essa e eles mesmos preferem trocar o detector de metais por uma exame manual.

      Ah, e isso são as instruções da TSA para passageiros com audição reduzida: http://www.healthyhearing.com/content/articles/Hearing-aids/Fitting/47668-Hearing-aids-airport-security

      Enfim, tudo vai dar super certo! ;)

      1. Obrigado, certamente será tranquilo, já passei pelo “full body pat down” parecido aqui nos aeroportos brasileiros, mas imaginei que o procedimentos nos aeroportos americanos seria bem mais rigoroso, como de fato é. Se sou eu mesmo, não há nada que temer.

  3. Olá, conheci o blog hj e estou viajando nos posts.
    Em novembro vou a NYC e tenho uma duvida em relação a medicamentos, como devo levá-los?

  4. Olá, Thiago.
    Sempre acompanho seu blog e adoro suas dicas. Queria tirar uma dúvida. Em outubro vou a Disney com meu filho de 5 anos e sempre que viajo com ele levo um arsenal de carrinhos, aviões, papel e lápis de cor, e coisas do tipo para que ele se distraia na viagem. Como é a primeira viagem que faço com ele para os USA fiquei na dúvida se devo ou não levar esse tipo de brinquedo. Será que teríamos problema no aeroporto?
    Beijão e boas viagens sempre,
    Simone

  5. Oi, Thiago.
    Acho que só posso dar uma dica para passar com tranquilidade pelos controles de segurança dos aeroportos americanos: siga as regras!

    Brincadeiras à parte, ano passado não tivemos problema algum com os nossos embarques. Fazíamos como vc indicou: colocávamos a passagem na página do passaporte que tem nossos dados, ao nos aproximarmos do raio X já tirávamos os sapatos, não carregávamos nada nos bolsos, vidrinhos de xampu e afins foram nas malas despachadas…

    Pra não dizer que foi tudo absolutamente perfeito, no embarque de Minneapolis pra Orlando tivemos que abrir a mala e tirar o playstation pra inspeção. Mas até isso foi tranquilo. Quando a mala passou no raio X, chamaram a chefe da segurança, ela nos pediu pra abrir a mala, nós tiramos o video game e a mala passou de novo no raio X. Enquanto isso, a gente conversou com ela e esclareceu que todo equipamento com componentes eletrônicos (e não só notebooks, como pensávamos) tem que passar separado. Aí no voo de Orlando pra Porto Alegre já levamos o playstation separado e passamos sem problemas.

    Quanto aos scanners de corpo (aqueles que são criticados pq a gente fica “peladão”), só passamos por eles nesse último trecho da viagem, já voltando pra casa, e tb foi mega tranquilo.

    Alice

    PS: pra mim, o mais estranho mesmo foi o embarque no Panama pra Orlando, quando foi feita revista manual de todos os passageiros, inclusive bebês de colo…

    1. Oi Alice! A última vez que viajei com um grupo, fizemos conexão em Tampa e a moça disse que “iPads” poderiam continuar dentro das mochilas, mas em Nova York pediram que tudo fosse tirado. Enfim, parece ser de veneta, não é?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*