Comer em Buenos Aires: 8 coisas que você deve saber

Atualizado em 27 de abril de 2022 por Thiago Khoury

Buenos Aires é a capital latino-americana da carne de boi. Na verdade, nem sei se realmente é, mas não devo estar inventando nenhuma mentira começando o post assim: comer em Buenos Aires é sempre um ótimo programa, principalmente para quem vai de churrasco.

Quando fui a Buenos Aires a primeira vez, há quase dez anos, tudo era muito gostoso e muito barato, mas atualmente isso já não é 100% verdade: os pratos (não só as carnes) continuam incrivelmente gostosos, mas tudo ficou muito mais caro do que era e muitos restaurantes tradicionais fecharam as portas.

Por isso, antes de partir para o crime, se liga nas dicas:

O que você deve saber antes de comer em Buenos Aires

Antes de começar a prepará-lo para a deliciosa jornada gastronômica que o aguarda em Buenos Aires, resolvi deixar os links do blog que mais ajudam no planejamento de uma viagem à Argentina:

Pensando alto: Buenos Aires, primeiras impressões

Buenos Aires: 25 dicas de hotéis

Qual o melhor seguro de viagem para Argentina?

+ Qual o melhor chip de viagem para Argentina?

  • Comer bem em Buenos Aires é fácil, mas nem sempre barato.

Os melhores restaurantes estão concentrados e também espalhados, são lugares muito falados ou completamente desconhecidos – por isso, arrisque-se!

Por outro lado, infelizmente já não é tão fácil pagar pouco: o tempo passou e os valores subiram, por isso tente cada vez mais descobrir os próximos “novos lugares incríveis” e deixe para os livros aquelas experiências “imperdíveis” que um dia já foram as dicas dos seus pais.

  • Comer comida rápida pode não ser o melhor negócio.

No país do vinho nacional, do contra-filé e da conversão favorável, comer em restaurante americano é uma péssima pedida. McDonald’s, Burger King e Starbucks saem pelo preço de uma massa simples em um restaurante legal ou de um chorizo em San Telmo.

  • Boêmio, porém com ressalvas.

Um amigo ficou chocado quando contei que perdi um ou dois jantares quando decidi sair depois da meia-noite para jantar e bailar, mas essa é a mais dura realidade: no verão as coisas podem ser diferentes, mas no inverno quem pretende jantar tarde da noite deve se contentar com pizza ou empanada requentada.

  • Nem sempre é possível acrescentar os 10% no cartão.

Famosa por cobrar taxas exorbitantes de quem trabalha com tarjetas de crédito, a capital portenha instaurou a cultura da gorjeta em cash: primeiro passamos o cartão e depois entregamos, para o garçom, o valor relativo ao serviço em dinheiro.

Bife de chorizo em Buenos Aires

  • Evite surpresas, conheça as palavras certas.

Provavelmente eles saberão traduzir o nome exato do corte ou do tipo de carne, além de cardápios em inglês e português serem muito comuns. Só não deixo de lembrar que “lomo” é filé, “chorizo” é contra-filé e “mariposa” é um corte muito popular do chorizo: sempre que a carne é muita alta eles oferecem a possibilidade de trazê-la aberta, como uma borboleta, o que facilita o grau correto de quem pede “ao ponto” (al punto) ou “bem passada” (bien hecho).

Quem gosta da carne espessa e suculenta pede que venha “jugosa”.

Já contratou o seu seguro de viagem? Conheça o buscador Seguros Promo e ganhe pelo menos 10% de desconto através do link!

Você consegue viajar sem celular? Viaje com chip de celular internacional com internet!

  • O Oleo não mente jamais.

Claro que existem centenas de guias, sites e críticos respeitáveis falando sobre os lugares mais diferentes do planeta, mas não conheço nenhuma publicação nacional com a presença do Guía Oleo.

É impressionante como as pessoas votam tanto e com tanta seriedade nos melhores bares e restaurantes da cidade. Enfim, tudo está lá, basta procurar. Andando pela cidade, dê preferência aos lugares que exibem (com gosto) a logomarca do Guía Oleo na entrada.

Atualização: com a pandemia, o Guía Oleo chegou ao fim!

  • Os “cubiertos” estão em todo lugar.

Uma cestinha de pães industrializados que você não pode deixar de aceitar. É, não adianta tentar entender a cultura dos “cubiertos”, eles são como as bruxas (“no creo, pero que las hay, las hay”), possuem preço fixo por pessoa e raramente são gostosos.

  • Vá de viño nacional.

É possível não gostar de vinho? Peça uma garrafa de tinto nacional enquanto espera a comida chegar e curta tudo que acontece ao seu redor. Você pode se ater aos mais baratos do cardápio sem correr nenhum risco – corre risco quem pede o vinho da casa, mas ainda sim você pode ter uma boa surpresa.

Lembre-se: comer em Buenos Aires pede sempre um vinho nacional ao lado do prato.

#extra

Arrisque-se no cardápio e teste a boa vontade que emana da cozinha: eles operam milagres, mas você precisa pedir por eles. Independente do que diz o cardápio, peça aquilo que você mais deseja: enquanto os maiores restaurantes servem apenas aquilo que acreditam corresponder a qualidade do lugar, restaurantes familiares tem a tradição de servir de tudo um pouco sem perder a qualidade.

Outras dicas do blog para programar a sua viagem:

  Já sabe onde ficar em Buenos Aires? Fiz três listas com as melhores opções nos bairros mais procurados: Palermo, Microcentro e Puerto Madero.

  Já contratou seguro de viagem? Seguro é essencial, principalmente em tempos de Covid! O comparador Seguros Promo oferece pelo menos 10% de desconto para leitores do blog e ainda parcela no cartão!

  Você consegue viajar sem celular? Não deixe de sair do Brasil já com o seu chip internacional com internet ilimitada de verdade - e através do link do blog você leva pelo menos 15% de desconto!

  Para alugar carro em Buenos Aires pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez na Rentcars. Eles possuem escritório no Brasil com atendimento em português!

Salvar

Buenos Aires
Comentários (3)
Adicionar comentário
  • Aron Leal Paz

    Somos turistas de 1ª viagem em BAs, eu e minha esposa e as informações contidas neste site são de uma ajuda colossal. Como é bom contarmos com uma ajuda desse quilate, é simplesmente inenarrável a contribuição dada aos turistas através deste site de informação. Obrigado pela ajuda!

    • Thiago Khoury

      Que isso Aron, eu que agradeço pelas palavras! ;)

  • Alice

    Oi, Thiago! Realmente, dicas muito importantes. Ano passado fomos a Bariloche, com 2 dias na ida e 2 na volta em Buenos Aires. Ficamos num hotel ali na Calle Suipacha. Nos dias de check-in e check-out do hotel, aproveitamos pra comer ali por perto mesmo, e foi uma grande surpresa os dois restaurantes na Calle Juncal que conhecemos. Lugares aparentemente fora do “circuito turístico”, mas com massas deliciosas, excelentes vinhos e preços muito convidativos!!!
    Os vinhos argentinos são muito bons e experimentamos diferentes variedades de uvas em várias marcas!!!