Mochilão na Europa passo a passo

Update: 2 de maio de 2017

Para a sua viagem ser inesquecível você precisa arregaçar as mangas e dar o seu melhor do início ao fim, do planejamento ao embarque: nada de curtir o bem-bom sem saber o porquê das coisas estarem sendo feitas daquela forma – toda viagem começa no momento em que você decide viajar:

+ 10 dicas para ter a melhor viagem de todos os tempos

+ 12 coisas que aprendi sobre viajar sozinho

+ 7 coisas que você irá aprender viajando sozinho

+ Como viajar acompanhado sem destruir velhas amizades

+ Dicas para dividir despesas viajando com amigos

Primeiro passo: monte o seu roteiro de cidades

Primeiro devemos escolher os países que serão conhecidos. Pegue o mapa da Europa e marque todas as cidades pelas quais você gostaria de passar.

Lembre-se que uma viagem apenas é pouco para conhecer todo o continente – entre Portugal e Rússia existe um mundo de possibilidades: comece sua viagem fazendo uma escolha sensata, leve em consideração o tempo disponível de viagem, uma média mínima de 60 euros de gastos diários e o quanto você pretende investir em hospedagem. Não se esqueça que você deve ter sempre uma proporção harmônica de disponibilidade de tempo e dinheiro.

Escolha cidades vizinhas ou grandes centros urbanos para fazer apenas os percursos mais longos de avião.

+ Como montar um roteiro na Europa

+ Todas as falhas de um mochileiro romântico

Segundo passo: compre moeda estrangeira

Minha dica é ficar ligado na cotação do euro e da libra o quanto antes, assim você terá um espaço de tempo maior para tentar fechar a compra no melhor momento. Todas as outras moedas europeias são desvalorizadas quando comparadas ao real.

Clique nos links para saber mais sobre que moeda levar, de que forma levar, entender mais sobre a cotação do dólar ou aprender como sacar dinheiro no exterior.

Terceiro passo: compre as passagens

Com o roteiro em mãos é hora de descobrir como chegar ao primeiro destino e de lá seguir viagem. Você pode comprá-las por um buscador como Viajanet, conversar com um agente de viagem ou tratar diretamente com as companhias aéreas que disponibilizam aquele trecho. Lembre-se que existem alianças que permitem com que companhias aéreas parceiras disponibilizem trechos operados por outras empresas.

Clique aqui para saber como escolher o melhor assento no avião.

Com a passagem em mãos, compre um seguro de saúde que abranja todos os dias de viagem, do embarque ao desembarque.

Quarto passo: compre os trechos internos

Essa é a parte do planejamento que mais gosto, que é quando geralmente novas cidades entram no roteiro. Suas viagens provavelmente serão feitas de trem, carro ou avião. Leia minhas dicas e escolha como fazer cada trajeto levando em consideração preço, tempo de viagem e o que traz menos possibilidades de se tornar um pepino em suas mãos – não caia na tentação de encarar grandes desafios, principalmente quando você não se sente apto para isso: grandes viagens devem trazer tranquilidade e não aumentar o número de responsabilidades.

+ É melhor viajar pela Europa de trem, carro ou avião?

+ Descubra qual o carro mais barato pesquisando em todas as locadoras de uma só vez

+ Algumas dicas sobre viagens de trem e estações

+ Tudo que você precisa saber sobre o Europass

Se você pretende fazer trechos de avião, clique aqui e aqui para as dicas de low-cost e como conseguir os melhores preços em trechos internos.

Assim que você souber como cada trajeto será feito e quanto tempo eles irão durar, pegue aquele roteiro que até então se resumia a uma lista de cidades e adicione datas em todas elas.

Eurostar prestes a deixar a plataforma em St. Pancras international, por @27045884@N05

Quinto passo: reserve a hospedagem

Esse é um dos momentos mais complicados do planejamento, mas também um dos mais divertidos: escolher onde se hospedar em lugares que você ainda não conhece. Clique aqui para saber como minimizar as suas chances de erro.

+ Os diferentes tipos de hospedagem

+ Como ler (e escrever!) críticas em sites de hospedagem

Dentro de cada categoria de destino do blog existem dicas pessoais de hospedagem, aquelas que foram testadas por mim. Na maioria das vezes são hotéis econômicos muito bem localizados, mas, de qualquer forma, em quase todas elas cito também alguns albergues:

Amsterdã: Max Brown Barcelona: Hotel Curious Berlin: Adina Apartment
Bruxelas: Hotel La Grand Cloche Dublin: Paramount Hotel Edinburgh: Palace Residential
Frankfurt: Hotel Scala Lisboa: HF Fenix Gardens Hotel Londres: Hotel St. Giles
Munique: Hotel Demas City Paris: Hotel Paris Rivoli Praga: Hotel Lokal Inn
Roma: B&B da Marlene Viena: Hotel das Tigra

Selecionei também alguns dos albergues mais bem cotados no Booking.com. Pesquise entre os melhores, leia as resenhas e fique esperto quanto a localização:

Albergues em Amsterdã Albergues em Barcelona Albergues em Berlin
Albergues em Bruges Albergues em Bruxelas Albergues em Budapeste
Albergues em Dublin Albergues em Estocolmo Albergues em Lisboa
Albergues em Londres Albergues em Madri Albergues em Munique
Albergues em Moscou Albergues em Paris Albergues em Praga
Albergues em Roma Albergues em Viena

Sexto passo: escolha o que visitar

E agora vem o que realmente interessa: depois de definir as cidades e quando elas irão entrar no roteiro é hora de escolher o que conhecer e visitar.

Conheça os melhores bairros, as melhores atrações e os melhores restaurantes para montar um roteiro que lhe sirva como norte – atenção: eu disse norte, não disse bíblia! Liberdade criativa, sempre!

Existem roteiros prontos que incluem linhas de transporte público (além de posts com dicas de lugares que gostei de ter conhecido) no índice de cada destino visitado por mim, basta navegar na barra vermelha no topo do blog.

Sétimo passo: organize a mala e todo o resto

Minha grande dica para viajar tranquilo é ter a certeza que nenhuma dúvida irá embarcar também: os dias que antecedem a viagem geralmente são os mais confusos, é quando você repensa absolutamente tudo que vinha imaginando até então. Por isso, tenha um bloquinho por perto para anotar toda dúvida que pinta ou pendências que devem ser cumpridas enquanto o grande dia não vem.

Para dar mais uma mãozinha nessa hora, aqui e aqui você encontra listas com todas as bobagens que deveriam ir dentro da mala e a gente raramente lembra.

Se você ainda não tem mala, pesquise aqui que tipo de mala escolher e conheça as marcas mais famosas. Depois conheça alguns itens que geralmente acompanham a compra da mala e leia sobre alguns produtos que não fico sem:

+ Meus tubinhos para transporte de líquidos

+ Meu adaptador universal Kensington

+ Meu porta-perfume da Travalo

+ Meu carregador portátil para iPhone

Oitavo passo: estude os lugares visitado e estudo o máximo possível

Que delícia, quase tudo pronto para a viagem! Enquanto você espera o dia do embarque chegar, compre um chip internacional para viajar conectado durante toda a viagem. Depois, comece a se inteirar pelos aspectos culturais dos próximos lugares visitados: pesquise na internet e absorva o máximo sobre a cultura e o dia a dia local, assim você irá aproveitar os destinos com muito mais qualidade – e intensidade!

Todas as dicas de Amsterdã

Todas as dicas de Barcelona

Todas as dicas de Bruxelas

Todas as dicas de Dublin

Todas as dicas de Edinburgh

Todas as dicas de Londres

Todas as dicas de Paris

Todas as dicas de Praga

Todas as dicas de Roma

Pronto, agora é só seguir viagem! Se você tem alguma outra dica para dar, deixe um recado nos posts que aparecem ao longo dessa página.

E se você ainda está pensando ah, não sei se devo, não sei se consigo, não sei se tenho dinheiro… Irei te dar duas últimas dicas para ajudá-lo a sair desse impasse: 5 motivos para viajar independente da grana e Como economizar no dia a dia para poder viajar.

Se você gostou desse post, ele é uma das minhas dicas no Pinterest:

Como montar um mochilão na Europa em oito passos

Rodei Viagens 2010 - 2017. Todos os direitos reservados. Termos de uso e política de comentários. Colabore com o blog!