Roteiro a pé pelo centro de Auckland

Esse é o basicão de Auckland, aquilo que você pode fazer sem carro e em um único dia – bem, isso se o seu objetivo for apenas conhecê-la, porque para curtir o momento e aproveitar um almoço legal são pelo menos dois dias de roteiro, não se esqueça.

Comecei esse roteiro a pé pelo centro de Auckland saindo da minha dica de hospedagem porque era de lá que eu saía todos os dias, além de ser uma ótima oportunidade para mostrar Emily Place e fazer com que você passe pelo parque mais antigo da cidade:

Só não se esqueça que Auckland é um emaranhado de morros, então prepare a panturrilha e não diga que não avisei:

Roteiro a pé pelo centro de Auckland

Região do Hotel Pullman Auckland

Emily Place

Essa pracinha é um charme só: conheci porque ela fica a metros da minha dica de hospedagem em Auckland, mas adorei ter conhecido porque eu nunca tinha visto uma praça com uma única árvore com troncos gigantes a rentes ao chão. Se eu gostei, imagina quem viaja com crianças?

Auckland-Emily-Place-Reserve-11

Os troncos de Emily Place passando pelo caminho

Albert Park e Auckland Art Gallery

O parque Albert se estende ao longo de uma das ladeiras de Auckland, mas a região da fonte é plana e sempre tem um pessoal brincando de rugby por ali, até porque um pedaço do parque ainda faz parte do campus principal da University of Auckland.

Auckland Art Gallery fica aos pés do Albert Park e está ali desde 1888, fazenda dela a primeira galeria de arte da Nova Zelândia e um passeio bem legal para quem vem de Emily Place e passa pelo parque – aliás, assim como o parque, a galeria também é gratuita.

Auckland-Albert-Park-07-Art-Gallery

Chegando na Auckland Art Gallery pelo parque e entrando pela parte de trás

Roteiro a pé pelo centro de Auckland

Região do porto: Waitemata Harbour

Takutai Square

Ô lugarzinho charmoso esse! Eu queria trabalhar ali só pra curtir os happy hours no fim do dia. Takutai é uma praça com pinta de Financial District, só que em menor escala. Eles fazem feiras de rua, espalham pufes pelo chão, armam telões infláveis para sessões de cinema e os restaurantes pipocam de gente linda e bem vestida. Eu me senti um forasteiro do primeiro ao último minuto ali, já disse isso antes, mas eu bem que queria fazer parte daquele miolinho de Britomart, parece festa da Globo.

21474474659

Takutai Square, via Flickr

Todos os cais do porto

Minha dica é ir andando pela calçada a beira mar e ir entrando em cada um dos cais, assim você passa por todo o porto de Auckland. Comece em frente ao Britomart e siga em direção ao Silo Park para passar por restaurantes deliciosos pelo caminho – eu comi um filé delicioso no Snapdragon, um dos famosinhos a beira mar, na altura da Hobson Street. O museu marítimo fica logo depois.

Silo Park

Não tem parque urbano construído pelo homem mais charmoso do que o Silo. Battery Park em Nova York é uma delícia, mas o clima do Silo Park põe qualquer outro no chinelo: é uma mistura de parquinho de bairro com Pompidou de Paris com área de alimentação de festival de música indie. Pôr do sol interminável, dá vontade de não ir embora nunca!

Silo-Park

Festival de cinema em Silo Park

Roteiro a pé pelo centro de Auckland

Queen Street e arredores

Aotea Square

Vamos começar a Queen de cima e descer em direção ao porto. Eu até agora não sei se gosto ou não de Aotea Square, parece uma versão mais pobre de Federation Square em Melbourne. Aos domingos é mais legal, tem uma feirinha de rua com artesanato local, mas não tem nada barato. Nesse primeiro quarteirão você estará perto dos cinemas, teatros e da prefeitura.

Elliott Stables

Quando a Wellesley cruzar a sua frente entre à esquerda e depois vire a primeira direita na Elliott Street. Olhe para esquerda a procura da entrada vitoriana e discretinha de Elliott Stables, uma praça de alimentação super charmosa que é muito mais escondida do que deveria. Lugar bacana para comer e passar a noite com amigos.

Sky Tower

Eu não fui por motivos financeiros e porque já não queria pegar fila para subir em nenhum outro lugar que não fosse a rua do meu hotel, mas eu iria na Sky Tower que com seus mais de 300 metros de altura é a maior estrutura feita pelo homem no hemisfério sul – e além de observatório tem restaurante giratório também.

High Street e Vulcan Lane

High Street é legal porque ela tem aquele ar de 5a avenida com o charme de Covent Garden – pero que em proporções reduzidas. Depois entre na Vulcan Lane que a corta: pena que os bares dali são pequenos e raramente a gente consegue sentar sem esperar muito, mas daria para ficar ali a tarde inteira sem olhar o relógio.

Clocktower

Já que falei em relógio, que tal tirar foto em frente a um monumento famoso? Escolha dar um pulinho na University of Auckland e procure pela torre branca com um relógio no alto dela – mas não deixe de documentar esse momento, esse é o único ponto histórico do nosso passeio!

Já contratou o seu seguro médico de viagem? Conheça a World Nomads, uma empresa australiana com preços bem acessíveis e com a maior cobertura que conheço.

Já sabe onde ficar em Auckland? Fiquei em um quarto enorme no Pullman, é impossível não gostar!

Já pensou em alugar carro na Nova Zelândia? Para alugar carro na Nova Zelândia pelo menor preço pesquise em todas as locadoras de uma só vez através da Rental Cars.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar


About

Sou mineiro de Belo Horizonte, onde nasci e moro. Sou jornalista, trabalhei com assessoria de comunicação e fui repórter de turismo. Nem toda viagem é trabalho, mas depois do blog todo trabalho virou viagem! Sou @rodeiviagens no Insta.


Busque o seu hotel pelo booking.com!


'Roteiro a pé pelo centro de Auckland' has no comments

Be the first to comment this post!

Would you like to share your thoughts?

Your email address will not be published.

*

Rodei Viagens 2010 - 2017. Todos os direitos reservados. Termos de uso e política de comentários. Colabore com o blog!